sábado, 15 de setembro de 2012

O maior assassino entreguista: Percival Farquhar.

  Percival Farquhar (1864- 1953) é considerado como um dos maiores entreguistas da história do Brasil e da América Latina, investidor financeiro do mercado mundial, empresário estaduniense nos primeiros anos do século XX, foi alvo de constantes polêmicas. Nascido numa abastada família quacre da Pensilvânia, completou seus estudos na Universidade de Yale, formou-se em engenharia e conseguiu ser vice-presidente a Atlantic Coast Electric Railway Co. e da Staten Island Electric Railway Co., que controlavam o serviço de bondes em Nova Iorque. Foi também sócio e diretor da Companhia de Electricidade de Cuba e sócio e vice-presidente da Guatemala Railway. Explorou negócios em Cuba e na América Central. Teve ferrovias e tinha aliados políticos como Lenin, no Brasil teve diversos empreendimentos ferroviários. Entre 1904 e a eclosão da primeira guerra mundial, Farquhar trouxe capital para investir em ferrovias, portos, frigoríficos, companhias elétricas e etc. tudo no interesse entreguista de exploração, tanto que obteve no equivalente a de 50 milhões de libras, o que se tornava um dos homens mais poderosos de toda América Latina disputando com o Visconde de Mauá, a maior polêmica foi a Estrada de Ferro Madeira- Mamoré. Essa estrada tinha um tratado de negociações entre o Brasil e a Bolívia para facilitar o embarque de produtos entre países, porém essa ferrovia era denominada de "Ferrovia do Diabo", uma ferrovia insana que matou mais de 1500 trabalhadores, tantas mortes ocorreram que jamais houve indenização por parte de suas empresas ao governo nem mesmo as famílias dos trabalhadores.
  Falquhar em sua época, foi considerado como um dos empresários mais bem sucedidos de sua história, bem mais que as famílias Rockefeller, Morgans ou Vanderbilt, foi ele quem deu forma ao entreguismo, tanto que "A região mais exposta ao investimento estrangeiro foi a América Latina. Ela foi a menos beneficiada pelas forças externas do mercado de capitais, e também a mais vulnerável a elas" disse o economista estaduniense Alan Taylor porém em 1914 suas empresas entraram em falência, o governo brasileiro e alguns dos governos latino-americanos deixou de investir em suas indústrias, mesmo assim em 1919, apresentou ele um projeto Itabira Iron Ore Company que foi imediatamente analisado pelo congresso e em 1939 considerado insano, aos pesares disto, conseguiu fundar e mais tarde, recebeu outro nome conhecido como Companhia Brasileira de Mineração, porém não durou muito tempo, até que Getúlio Vargas e o nacionalismo econômico progredindo no nosso país, comprou todos os direitos e propriedades da sua indústria com a Vale Rio Doce e em 1946, Falquhar não desistindo de suas investidas entreguistas criou a Companhia de Aços Especiais (Acesita), porém a partir de 1952, o controle desta passou de novo nas mãos do governo getulista com o Banco Central do Brasil. Muitos economistas acreditam que Percival Farquhar foi sem dúvidas um dos maiores investidores do crescimento da América Latina, mais será? O que teria acontecido caso o governo de Vargas não tivesse se apropriado de suas indústrias? Muitos falam dos Illuminatis porém será que realmente o mundo é controlado por tais famílias? Mesmo com os mais insanos projetos dos quais colocava vidas em perigo, Percival Farquhar foi condecorado e outros 876 estadunienses na construção da ferrovia do diabo em Rondônia, lindo não? Agora, aonde está as famílias que arriscaram suas vidas nos vários projetos e em suas empresas, não deveriam receber um memorial por bravura? Como pode o governo de Rondônia condecorar um homem que tinha como base o entreguismo?
  Atualmente, sua filha deseja se apropriar de 3 bilhões de dólares do Vale Rio Doce no Brasil e dentre outros países que o empresário investiu na América Latina, ganhando créditos da justiça estaduniense, então você acha que uma pessoa quem não se importa com a vida deva receber algum dinheiro, você acha realmente que o capital estrangeiro possa fazer do Brasil um país de todos?


5 comentários:

João Alexandre Rodrigues disse...

É sempre bom conhecer um pouco mais sobre a história do Brasil. Gostei!!!

Rander Ariel. disse...

Billy The Kid Tupiniquim.

Célio D'Ávila disse...

parabens pelo blog como disse o colega "É sempre bom conhecer um pouco mais sobre a história do Brasil. Gostei!!!"
seguindo!

Victor Lourenço disse...

Esse cara não valia nada.

Paulo Vianna disse...

Entreguista? Ele era norte americano, e foi contratado para realizar negócios no Brasil. Foi um grande empresário, que carreou grande prosperidade para seus empregadores e país. Entreguista foi Hermes da Fonseca, presidente do Brasil, que assinou a concessão das terras para uma empresa estrangeira, com tantas benesses e vantagens; foram os presidentes das províncias de Paraná e Santa Catarina, que aceitaram os abusos cometidos por eles. Foram os deputados, senadores et caterva de então, que correram a se apoderar das terras abertas pela estrada de ferro, para revender à Lumber. Victor Lourenço, preste atenção: ele valia muitíssimo. Quem valia nada foi quem lhe deu poder, aqui. Billy The Kid talvez; mas não tupiniquim!