quinta-feira, 7 de março de 2013

Porque a Operação Pan-americana não deu certo?

   Em 1958, JK lançou a Operação Pan-Americana (OPA), uma proposta de cooperação internacional de âmbito hemisférico que visava ao desenvolvimento econômico e político não apenas do Brasil, mas de toda América Latina, onde o sentimento anti-americano e anti-imperialista enraizava-se cada vez mais. As violentas manifestações ocorridas nas cidades de Lima e Caracas contra o vice-presidente americano, Richard Nixon, em visita, naquele ano, ao continente sul-americano, confirmaram tais sentimentos. Impressionado pelos incidentes, Augusto Frederico Schmidt, conselheiro e ghost-writer do presidente Kubitschek, é quem notoriamente concebe a ideia da OPA, e encoraja Juscelino a enviar uma carta ao presidente americano Dwight Eisenhower, lamentando os incidentes enfrentados por Nixon, aproveitando também para descrever seu projeto sobre um novo relacionamento a ser buscado entre todos os países americanos, na forma de um programa multilateral de desenvolvimento econômico que ao mesmo tempo se constituiria numa estratégia de defesa do continente. Após o retorno de Nixon aos Estados Unidos, JK enviou uma carta ao presidente Eisenhower, apresentando a Operação Pan-Americana, primeiramente como uma tentativa de recompor a unidade continental.

   JK apresentava ao presidente americano a necessidade de uma “inversão precursora nas áreas econômicas atrasadas do continente, a fim de compensar a carência de recursos financeiros internos e a escassez de capital privado. A América Latina, que também contribuiria para a vitória democrática, se viu, pouco a pouco, em situação econômica mais precária e aflitiva que as nações devastadas pela guerra, e passou a constituir o ponto mais vulnerável da grande coalizão ocidental”.

    Em um período em que a Guerra Fria estava no seu ponto mais crítico, a OPA era propagandeada como um meio de se evitar a fundação de regimes socialistas, que poderiam surgir justamente como resposta à insatisfação com a realidade econômica e social, na qual os Estados Unidos tinham grande participação. O teor do projeto consistia em que os Estados Unidos assumissem um compromisso de cooperação para a erradicação do subdesenvolvimento da América Latina. Ao atrair a atenção da superpotência para os países latinos, seria possível obter maiores créditos no sistema político, levando à adesão de Washington a um bloco multilateral que combateria os problemas estruturais do continente. Os objetivos da OPA seriam alcançados por meio das seguintes metas, atingidas principalmente por meio de capitais públicos, buscando incluir todos os países americanos, sem distinção alguma: introdução de investimentos financeiros nas regiões mais necessitadas do continente; constituição de uma assistência técnica para aumentar a produtividade, levando a maior retorno financeiro dos investimentos realizados, conservação dos preços das commodities comercializadas pela América Latina, promoção da liberalização institucional internacional, pesquisa para uma constante ampliação da pauta de recursos disponíveis;

   Mas as ideias da OPA não permaneceram todas no papel. Um dos legados do projeto foi a fundação do Banco Interamericano de Desenvolvimento, o BID, cujo objetivo era justamente o de financiar projetos de desenvolvimento em todo o continente.

Fontes: Infoescola

Noticisul

4 comentários:

Marijleite disse...

A ideia parecia boa, pelo menos restou algo de bom.
Uma dica, quando a gente personaliza a visualização do cursor do mouse no nosso blog, ele fica meio impreciso na hora do clique.
Tive certa dificuldade em conseguir clicar no lugar certo para abrir a caixa de comentários. O cursor verde e preto está legal, combinando com o blog, mas o click fica comprometido. Pode ser um problema que aconteça só comigo,mas pode acontecer com outros leitores também.

KGeo disse...

é ideia é boa pena que n deu certo

Anônimo disse...

parecia q ia da mais nao deu

blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.